Execução do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas da Usina Hidrelétrica UHE Itapebi

Execução do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas da Usina Hidrelétrica UHE Itapebi
Execução do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas da Usina Hidrelétrica UHE Itapebi
Execução do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas da Usina Hidrelétrica UHE Itapebi
Execução do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas da Usina Hidrelétrica UHE Itapebi

Descrição

O trabalho consistiu na recomposição e estabilização de taludes e encostas do reservatório da UHE Itapebi, cujas áreas degradadas estavam associados com a ação da natureza, tais como: erosão, deslizamentos de terra ou movimentação do solo, onde o grau de dificuldade de acesso ao local da intervenção foram fatores preponderantes para a escolha das soluções técnicas aplicadas, buscando-se, sistematicamente, a mitigação dos danos aos ecossistemas associados.

Sistematicamente, foram adotados os seguintes procedimentos executivos:

  • Manutenção da vegetação verde e da vegetação seca da base da encosta, mesmo presentes na área dentro do nível máximo de alagamento;
  • Regularização manual da rampa da encosta com retirada das inclinações negativas;
  • Manutenção do material da regularização em terra, evitando assoreamento do lago;
  • Enrocamento com pedras-de-mão (material com granulometria variável, com tamanho de 10 a 40 cm de comprimento, com peso médio de 10kg por exemplar) disposto na base da encosta de entorno que apresentava risco de deslizamento;
  • Recomposição da macro e micro drenagem da interface pastagem/erosão com a instalação de vala escavada recoberta com manta geotêxtil e preenchida com pedras-de-mão em todo o entorno superior da erosão;
  • Plantio da gramínea Brachiaria decumbens em pequenas covas abertas (picotes), espaçadas entre si até 5cm, nas paredes do talude;
  • Enriquecimento florístico da APP, com o número mínimo de cinco plantas de espécies pioneiras, três plantas de espécies secundárias e uma planta de espécie clímax, nativas do bioma Mata Atlântica.

Fale com a TEMIS: +55 71 3357-3979